domingo, 26 de junho de 2011

A BOA IDÉIA DE SUZANA

uzana olhou alegremente ao seu redor e para os pequenos convidados. – Faço sete anos hoje! Disse ela. Dentro de um ou dois minutos abrirei meus presentes de aniversário. Então encontrarei o relógio de pulso que o papai e a mamãe prometeram dar-me, quando eu fizesse meu sétimo aniversário!

Suzana desatou fitas azuis, fitas amarelas, fitas cor-de-rosa – um verdadeiro arco-íris de fitas. Quão interessante era ter uma festa de aniversário!

- Trouxe-te um jogo para limpeza de casa de verdade! E Leti sorriu para Suzana, enquanto os negros cachos lhe dançavam pela face. – Olha, Sue! Leti ajudou Suzana a desembrulhar o pequenino esfregão para a limpeza do pó, o vidrinho com óleo para a limpeza de móveis, e foi Leti quem colocou em Suzana o lindo aventalzinho estampado de flores alegres. Até havia um pequeno espanador, e uma vassoura!

- Você agora pode arrumar seu próprio quarto, Suzana, disse-lhe a mãe, sorrindo.

Suzana acenou com a cabeça.

Ajudar a mamãe agora seria coisa realmente bem interessante.

Tinha somente mais um presente a desembrulhar e esse devia ser o relógio de pulso. Havia numa caixa cor-de-rosa e prateada. Havia realmente um relógio! E aí Suzana viu Nete, com seu engraçado narizinho chato, espreitando pelos vãos da cerca. Neti parecia estar fazendo o possível para não chorar! Não vou convidar Neti Almeida, vai se desfazer em pranto e molhar todos os meus presentes, e portar-se mal, dissera Suzana a sua companheira predileta Leti. Esta concordara com ela...

Suzana voltou as costas para a cerca, e fez de conta que Neti fora embora. Começou a brincar de “lenço-atrás” com as outras crianças, mas, por mais que fizesse, não podia achar graça no brinquedo. Não, não havia graça alguma. Até Leti não demonstrava vontade de brincar, e olhava triste para Neti.

Durante toda a manhã Suzana excluíra Neti da mente. No dia anterior, quando sua mãe lhe dissera bondosamente: - Querida Suzana, não gostaria você que Neti tomasse parte, amanhã, na sua festinha de aniversário? Suzana batera o pé e dissera: “Não!”.

A mãe estivera muito ocupada, fazendo os bolos para a festinha, e arranjando os brinquedos e outras coisas, mas parara para dizer: - Temo que você magoe Neti, Suzana. Bem sei que lhe prometi que poderia escolher os companheiros que desejava que viessem no seu aniversário, mas não seria melhor que qualquer hora, hoje, você desse um pulo e convidasse Neti? Ela, certamente, não assiste a muitas festas de aniversário, e haveria de gostar bastante se a convidasse. Não espere que lhe traga um presente, querida, porque seus pais são muito pobres.

Tão ocupada estava a mãe de Suzana com os planos da festinha, que se esqueceu de Neti, justamente como Suzana esperava que acontecesse.

- Convidou Neti? Perguntou-lhe a mãe. (Suzana pendeu a cabeça e corou de vergonha, pois ela e Leti haviam rasgado o lindo cartão cor-de-rosa do convite reservado para Neti.) Confiei na minha pequena, senão eu mesma tê-la-ia convidado, disse gravemente a mãe de Suzana, demonstrando estar bem triste.

Suzana sentiu-se muito mal. Ali estava ela, com os presentes empilhados ao seu redor e o belo relógio de pulso no braço a fazer tique-taque, mas não tinha nem um pouco de alegria. Nem um pouco! Suzana sentiu como se fosse a menina mais infeliz do mundo, pois repentinamente vira quão egoísta tinha sido, quão falta de bondade para com Neti. Todos podiam ver Neti choramingar agachada atrás da cerca, procurando ver a mesa de aniversário!

Foi nesse momento que Suzana teve a boa idéia.

Girou velozmente, e correu o mais depressa possível até o passeio e ao redor da cerca, até encontrar Neti. – Venha para a festa! Suzana tomou na sua à mão de Neti, apertando-a com satisfação. Quão bem se sentia agora! 

- Vou dar-te o meu aventalzinho branco. Neti quero dizer que será seu mesmo... Já fiz sete anos hoje; sete, realmente! E Suzana meditava, enquanto cortava um pedaço do bolo de aniversário para Neti. “Não posso continuar a ser mesquinha para ninguém, porque estou quase moça!”.

HISTÓRIA – LUZ QUE BRILHA

O dia estava muito frio e úmido. O sol estava atrás de nuvens escuras e o vente forte levava a chuva fria e fininha constantemente conta a janela. Rute estava com seu narizinho achatado conta a janela olhando para a chuva que caía lá fora. "Que dia mais chato" . Pensava ela. Ninguém podia brincar com ela, estava ali tão sozinha... Papai estava trabalhando no escritório, mamãe estava com dor de cabeça, e o nenê, sua pequena irmãzinha, já estava chorando há um bom tempo.
Rute estava pensando se pelo menos a vovó estivesse ali, então tudo seria melhor. Então lembrou do que vovó tinha lhe dito uma vez: "Se a gente ler de manhã, bem cedo, um trecho da Bíblia e depois tentar viver o dia todo de acordo com aquilo que a gente leu, nunca se tem tempo para se sentir sozinha ou triste, e além do mais não se tem o problema de não ter o que fazer.
"Pensando nisso, Rute foi  buscar o seu Novo Testamento. Tinha tempo de sobra para estudar o seu versículo para a escola dominical. Depois de algum tempo ela encontrou o evangelho de Mateus e leu ali no capítulo 5:
"Vós sóis a luz do mundo; não se pode esconder a cidade edificada sobre o monte, nem se acende uma lâmpada para colocá-la na bacia, mas no velador, para alumiar a todos os que estão na casa. Assim, brilhe também a vossa luz diante dos homens..."
Rute ficou pensando... o dia está tão triste e cinzento. Será que não deveria trazer um pouco de luz a todos os que se encontram em casa?
O nenê continuava chorando. Rute foi até o quartinho dele, levantou cuidadosamente a irmãzinha do seu berço, tomou-a nos braços e a carregou por um tempo para que ela pudesse arrotar. Quando depois ela a pôs de volta no bercinho, logo começou a dormir sossegadinha.
Logo depois, Rute foi até o quarto da mamãe. Ela estava deitada com muita dor de cabeça. Quando Rute entrou, mamãe disse: "Filhinha, foi tão bom que você acalmou o nenê. Eu não consigo nem levantar a minha cabeça, não estou me sentindo nada bem".
Rute ficou muito contente com o elogio. Correu então até o banheiro e voltou com um pano úmido. Colocou-o sobre a testa da mamãe. Depois puxou as cortinhas  para que ficasse escuro no quarto e saiu em silêncio. Mamãe sorriu para ela: "Minha filha querida! Obrigado!"
Aí, Rute se lembrou do quartinho de brinquedos que estava completamente desarrumado com brinquedos por todos os cantos. Foi para lá e logo, logo, cada coisa estava em seu lugar. Tudo arrumadinho! Depois ela foi para a cozinha. A esta altura já era quase 5 horas e a qualquer momento papai deveria chegar do trabalho. "Ele deve ficar contente de ver que eu pus a mesa para o jantar também". pensou Rutinha.
Mal estava pronta, chegou papai. Quando ele viu tudo arrumadinho e percebeu que Rute tinha feito tudo sozinha, disse: "Meu pequeno raio de sol. Você trabalhou mesmo, hem? Muito bem! Assim que se faz"
E então, quando a mamãe se sentiu um pouco melhor, e pode levantar, o nenê estava descansado e contente. O papai pegou o nenê no colo e ficou ali brincando com ele. Todos estavam contentes  e tudo estava tão diferente do que há algumas horas atrás.
Mesmo que o céu continuasse cinzento e a chuva e o vento continuavam, no lar de Rute brilhava o sol do amor, da paz e da vontade de uma menina que fez que o Senhor Jesus disse: "Vós sois a luz do mundo... assim brilhe a vossa luz, para que vendo as vossas obras, glorifiquem a vosso Pai que está no céu."

O BARQUINHO

(autor: desconhecido - adaptação Lina)
Era uma vez um menino chamado Toninho.
Toninho morava perto de um rio, e por isso, gostava muito de barcos.
Ele sempre fazia barquinhos de papeis, mas eles acabavam se desmanchando na água.
Um dia, enquanto caminhava pelas ruas da pequena cidade onde morava, ele viu na vitrine da loja, um barco bem bonito, do jeitinho que ele queria.
Toninho entrou na loja e perguntou o preço do barco ao dono da loja.
Era um valor muito alto e Toninho não tinha o dinheiro para comprar ao barco.
Saiu muito triste da loja. Foi no caminho que teve uma idéia. Iria construir o seu próprio barco, mas não de papel, como das outras vezes. Agora ele iria construir um barco de madeira.
Por vários dias, Toninho, juntamente com o seu pai, construiu um lindo barco, o qual o término foi pintado com cores alegres.
Os olhos de Toninho brilharam de alegria ao ver o lindo barquinho colorido. Ficara lindo.
Com todo cuidado, Toninho colocou o barco no laguinho, que ficava perto do rio. E ali, brincava alegremente com o seu barquinho.
Um dia, quando Toninho brincava com o seu barco, veio uma forte tempestade levou o barco de Toninho para o rio. Toninho tentou alcançar o barco, mas foi em vão. As águas estavam muito agitadas e levou o barco para longe.
Toninho ficou muito triste. O pai até queria fazer outro barco, mas Toninho queria aquele, porque ele tinha gostado muito dele. Outro barco não seria a mesma coisa.
Toninho ficou a caminhar tristemente pelas ruas da cidade. Quando, de repente ao olhar para uma vitrine de uma loja, viu um barquinho muito parecido com o seu.
Ele entrou na loja e pediu ao vendedor para mostrar o barquinho. Toninho pegou o barquinho nas mãos e examinando-o cuidadosamente e concluiu:
- Esse é o meu barquinho.
O vendedor sorriu para o menino e disse:
- Esse barco pode ser seu garoto, mas tem que pagar o preço dele.
Toninho, entre lágrimas, tentou explicar o ocorrido para o vendedor. Mas, o vendedor disse que para Toninho ter o barco de volta, ele teria que pagar o valor do mesmo, porque aquele barco agora pertencia à loja.
Toninho saiu da loja muito triste, pensando o que fazer para conseguir o seu barco de volta. Decidiu que iria trabalhar muito, até ajuntar o dinheiro e comprar o barco.
E assim Toninho fez. Por vários dias, Toninho trabalhou incessantemente como entregador, limpador de calçadas, etc. Até que um dia, conseguiu ajuntar o dinheiro para comprar o seu barquinho.
Toninho foi apressadamente a loja, com medo de não encontrar o barquinho. Mas... para a sua alegria, o barco ainda estava lá.
Toninho entregou o dinheiro ao vendedor que lhe deu o barco em troca.
Toninho, tomou em seus braços o barquinho dando um suspiro aliviado e disse:
- Meu barquinho querido. Você é meu duas vezes. A primeira vez, porque eu te construí e agora a segunda vez porque eu te comprei.
Essa história é semelhante a nossa vida. E poderíamos dizer que somos como aquele barquinho. Um dia, Deus fez o homem com muito amor e carinho, mas a tempestade (pecado), separou o criador da criatura. Mas... Deus, o criador teve um plano e através de Jesus Cristo, seu filho, Ele pode trazer o homem de volta para os braços do criador.
Muitas pessoas ainda andam longe do criador, mas Deus espera ansiosamente para toma-lo em seus braços amorosos, porque o preço já foi pago através do sangue de Jesus derramado na cruz por causa dos nossos pecados.

TEMPO PARA TUDO

 

A HISTORIA DE DO REI DAVI

Adaptação: Lina
baseado na Bíblia - I Samuel 16-17
Há muito tempo atrás, num país muito distante do nosso, chamado Israel, havia um rapazinho chamado Davi.
Eu não sei a idade dele, mas imagino que ele era bem novinho e mesmo sendo novinho, ele já trabalhava. Sabe o que ele fazia?
Ele era pastor de ovelhinhas.
Todo o dia, de manhã bem cedinho, ele acordava e ia trabalhar. Ele levava as ovelhinhas para beberem água no riacho e comerem graminhas bem verdinhas.
Ele estava sempre alerta para evitar que algum bicho atacasse suas ovelhinhas, porque ele tinha um carinho muito especial por elas.
Nos momentos mais tranqüilos, Davi tocava sua harpa. As ovelhas ficavam calmas. E assim Davi tocava, tocava e tocava. Era tão bonito. As pessoas que passavam nas redondezas ouviam a música e ficavam admirados. Era uma música tão bonita.
Sabe... nessas horas, Davi olhava para natureza e via as coisas que Deus fez e tocava lindas canções e escrevia lindos poemas pensando em Deus – Esses poemas se chamam Salmos... é... são alguns dos Salmos que estão no meio da Bíblia. Foi assim que Davi cultivou uma amizade com Deus.
Daí... a música dele ficou conhecida por algumas pessoas da sua cidade.
Um dia, o rei Saul estava muito nervoso e seus empregados sugeriram que chamasse alguém que tocasse bem algum instrumento para acalmar os ânimos do rei.
Adivinhe quem foi chamado?
É... o próprio – Davi.
E ele tocou bonito para rei e assim... quando o rei ficava nervoso e irritado, Davi tocava a sua harpa e o rei ficava calminho, calminho. O rei gostou tanto, que até convidou Davi para ser escudeiro dele.
Mas... mesmo assim, Davi ainda cuidava das suas ovelhas nas horas vagas.
Um dia, teve uma guerra muito terrível e os irmãos de Davi foram para ela. Davi não foi porque era muito jovem, mas o pai de Davi pediu para que ele fosse até o local da guerra, levar alimentos para os seus irmãos.
Davi foi.
Chegando lá, viu que os soldados estavam tensos. No exército inimigo havia um inimigo muito poderoso. Ele era um gigante e o nome dele era Golias. Ele desafiava e xingava os soldados, chamando um que pudesse lutar com ele.
Os soldados de Israel estavam com medo, inclusive os irmãos de Davi.
Davi não ficou com medo do gigante e foi pedir autorização ao rei Saul para lutar com o gigante Golias. O rei não teve outra opção, senão autorizar o moço Davi a lutar com o gigante, dando a ele roupas de guerra (escudo/armadura).
Davi pôs aquelas roupas.... aiiii... mas não teve jeito. Ele não conseguia se equilibrar com aquilo. Aquelas roupas mais atrapalhavam do que ajudavam.
Decidiu tirar aquelas roupas de guerra e ir lutar do seu jeito, ou seja, CONFIANDO QUE SEU AMIGO DEUS, IRIA LHE DAR VITÓRIA.
Ele foi até o riacho, pegou 5 pedrinhas e um funda e foi.
O gigante, ao ver a Davi, começou a rir e a caçoar dele dizendo:
- Você ta pensando que eu sou cachorro para vir lutar comigo com pedras e paus? Você vai ver só o que vai te acontecer... vou fazer picadinho de Davi.
Davi não se intimidou e disse:
- Olhe senhor gigante, você pode vir lutar comigo com a sua espada e a sua lança, mas eu vou lutar COM A AJUDA DE ALGUÉM QUE É MAIOR QUE VOCÊ – QUE É DEUS.
Davi pegou a sua pedrinha, colocou na funda e girou, girou, girou e vuptttttt.
A pedrinha voou, voou, voou e PIMBA.
Bem na testa do gigante Golias que caiu e morreu.
E foi assim que Davi confiou em Deus e foi vitorioso.
Na nossa vida, temos probleminhas, problemas e problemões. Alguns deles, são como gigantes. Mas Deus quer que a gente, como Davi, tenha uma amizade com Ele, confie Nele e Ele nos ajuda a vencer esses desses problemas. Confie em Deus, confie em seu filho Jesus Cristo!

Em busca da felicidade

A Bíblia é um livro muito importante. Ela descreve relatos incríveis que nos ajudam na nossa caminhada aqui no nosso planeta terra. Às vezes assisto muitos filmes e  desenhos animados, e eu acho bem legais.  Tem alguns de aventura, outros cheios de fantasias. Têm alguns que tem que achar  determinado objeto ou desvendar algum enigma  para solucionar  um determinado problema, coisas de filme, né? . Na vida real é diferente e a Bíblia nos ensina coisas preciosas de pessoas que passaram por situações bem parecidas com a nossa. Relata vida de pessoas como a gente, que tem sempre um sonho ou um desejo de conseguir algo, pois as pessoas sempre estão em busca da felicidade (Esse é o título de um filme com o Will Smith – opa – mais um filme).
A Bíblia relata que um grupo muito grande de pessoas estava em busca da felicidade. Quando eu me refiro felicidade aqui, pode ser um sonho a ser realizado, uma palavra de incentivo,  cura, um milagre. E esse grupo de pessoas, decidiu ir atrás do seu sonho.
Se você pudesse pedir algo , o que você pediria. Qual é o seu sonho? O que te faria muiiito, muiiiito feliz (entrevistar os alunos).
Agora vou algo e que está registrado na Bíblia. Na época em que Jesus esteve aqui  fisicamente, pois Ele diz que está conosco todos os dias.
Jesus ama as pessoas e é um amor muito grande. Sempre que ele via alguém com necessidade necessitando de algo, ele as ajudava.  E com isso, todo mundo queria se aproximar de Jesus. Onde ele estava sempre era aquele tumulto de gente. Teve uma vez, que seu primo, o João Batista tinha sido assassinado, por um rei, a pedido de uma rainha muito má. Eu imagino que ficou bem triste e queria ir para um lugar mais reservado  para  orar, conversar com os seus discípulos. Na verdade, ele queria  saber mais os detalhes de como foi o trabalho evangelístico que eles fizerem – se aconteceram muitas curas, se as pessoas entenderam direitinho sobre o reino de Deus. Mas com aquela muvuca de gente era impossível conversar.
Sabe o que eles fizeram? Disfarçadamente, Ele e seus discípulos pegaram um barco e foram navegando até  Betsaida – que era um pequeno povoado, bem mais desértico que o local onde eles estavam.
Às vezes, quando eu vou pra praia, eu sempre escolho aquelas praias mais desertas, onde a gente consegue conversar, relaxar mais. Não gosto muito de lugares cheios, com muito barulho, muita gente.
E assim foi, Jesus com os discípulos em um barco para Betsaida.
Só que vazou a notícia de que Jesus estava indo para Betsaida. Alguém descobrir.  Então as pessoas começaram a correr e espalhar a notícia de que Jesus estava indo para Betsaida. E foi juntando gente, foi juntando gente. E quando Jesus chegou com o seu barco, viu aquele montão de pessoas. 
O que será que ele pensou? Se fosse eu  pensaria. Ahhhh não... Que chato! Será que esse pessoal não dá um tempo?
Mas Jesus ele ama sempre. Ele é especial. A Bíblia relata que ele teve compaixão deles, pois eram como ovelhas sem pastor.
Jesus até esqueceu da reunião que ia ter  em particular com os discípulos. E começou a ensinar muitas coisas. Era disso que o pessoal estava precisando.
Só que os discípulos começaram a olhar para o relógio. Já tava ficando tarde. Nada do pessoal se tocar e ir embora.  Então eles se aproximam de Jesus, e disseram: -  Mestre! Manda esse povo embora para comprar algo para comer. Porque aqui é deserto. Não tem mac donalds, e eles ficarão com fome!
Jesus disse: - Dêem vocês algo para eles comerem.
Os discípulos arregalaram os olhos. Nós????  Sem chance!!! A grana ta curta! E olha que pra alimentar tudo isso de gente vai dinheiro demais.
Taí. Isso, aos olhos dos discípulos parecia impossível né?
- Quantos pães vocês tem? Verifiquem! Disse simplesmente Jesus.
E assim os discípulos, em obediência a Jesus,  saem procurando quem tinha algo para compartilhar.
Procuraram. Procuraram. Procuraram.
E acharam um  garotinho que tinha 5 pães e 2 peixes. Fé de menino em oferecer tão pouco.
Mas fé de criança é assim -  entrega completa para Jesus.
- O que é 5 pães e 2 peixes para alimentar tanta gente? Disseram os discípulos a Jesus.
Mas são de pequenos gestos que Jesus faz grande milagres.
É da disposição de um coração que Jesus age.
Com aquele lanchinho tão pequenino, Jesus fez um milagre e multiplicou o pão.
Vamos ver o relato de Marcos 6: 38-44.
38 Ao que ele lhes disse: Quantos pães tendes? Ide ver. E, tendo-se informado, responderam: Cinco pães e dois peixes.
39 Então lhes ordenou que a todos fizessem reclinar-se, em grupos, sobre a relva verde.
40 E reclinaram-se em grupos de cem e de cinqüenta.
41 E tomando os cinco pães e os dois peixes, e erguendo os olhos ao céu, os abençoou; partiu os pães e os entregava a seus discípulos para lhos servirem; também repartiu os dois peixes por todos.
42 E todos comeram e se fartaram.
43 Em seguida, recolheram doze cestos cheios dos pedaços de pão e de peixe.
44 Ora, os que comeram os pães eram cinco mil homens.
45 Logo em seguida obrigou os seus discípulos a entrar no barco e passar adiante, para o outro lado, a Betsaida, enquanto ele despedia a multidão.
46 E, tendo-a despedido, foi ao monte para orar.
Tem pessoas que pensam que a verdadeira felicidade está em receber grandes presentes, mas a verdadeira felicidade está em dar.
Dê primeiro para Jesus. Dê seu coração, sua fé, dê o que você tem de melhor. Aos olhos humanos não pode ser muito. Mas eu penso que Jesus olhou para aquele menino, deu um grande sorriso como se dissesse:  – É o suficiente. É disso que eu preciso. É de meninos e meninas como você que eu preciso. É de meninos e meninos dispostos a dar do seu esforço, dar sua obediência. Dar o melhor em casa, na escola.
Eu sou professora. Às vezes eu vejo tanta rebeldia, tanta desobediência, tanta insubmissão. E o que Jesus pede para realizar um milagre é o básico. Por detrás daqueles 5 pães e 2 peixes, tinha um coraçãozinho despojado que daria dar algo de bom para a humanidade. E é só disso que Jesus precisa para realizar mais milagres nos nossos dias.
Lembrando as palavras do próprio senhor Jesus, que disse: Há maior felicidade em dar do que em receber. Atos 20:35b

Historinha do cego Bartimeu

Para contar essa historinha você vai precisar do material:
- 1 bexiga
- fita crepe (para colar a bexiga na cadeira)
- 1 óculos de sol (pode ser feito de papel cartão preto)
- 1 capa (pode ser uma toalha de banho ou uma manta)
- 1 cadeira
- 1 caneca ou similar
Pronto! Eis o cego Bartimeu.
Mas... não monte ele antes... Monte com as crianças, criando um elemento surpresa.
Pegue uma bexiga vazia, e encha-a dizendo que é a cabeça. Cole-a e vá montando o seu cego Bart, conforme o desenho acima. Conversando com as crianças sobre o que representa cada peça.
Tudo aconteceu na cidadezinha chamada Jericó.
Lá morava um homem chamado Bartimeu. Ele tinha um sério problema. Ele era cego.
Bom... vamos chamá-lo de o cego Bart.
Todos os dias para Bart eram negros. Ele não conseguia ver nada. Apenas imaginava as coisas.
E como todos sabem... é muito difícil um cego arrumar um emprego, né?
Daí... o jeito era pedir esmola. Ele tinha uma capa, que a usava para se proteger. Ele sentava sobre ela, e passava o dia inteirinho na rua, sentado, pedindo esmola.
Então vamos imaginar aqui o nosso amigo... o cego Bart?
Essa era a única oportunidade do cego Bart. Passar o dia inteiro... pedindo esmolas...
- Me dá uma esmolinha! (aproveite para depositar uma moedinha na canequinha)
Agora, vamos deixa-lo ai sentado... jaja a gente volta para falar o que aconteceu com ele.
Porque eu quero contar uma oportunidade que tive. (nesse momento, relate como foi a sua experiência, ou seu encontro com Cristo resumidamente – eu falei que quando eu era criança (5 anos) eu tinha um sonho de ser rica, por isso, sempre pedia a Deus em oração que meu pai ganhasse na loteria esportiva, mas isso nunca aconteceu. Deus me deu outras oportunidades, uma delas foi de estudar, fiquei maiorzinha e fui trabalhar e mais tarde entrei em uma universidade. Foi na época da universidade que tive a maior oportunidade da minha vida. Um dia, me convidaram para ir à igreja e lá eu tive um encontro com o Senhor Jesus e entreguei a minha vida para ele).
Voltemos agora para o Bart, que não é o Simpson, mas o Bartimeu.
Pobre Bart. Era sempre a mesma coisa... Sentado... Que rotina...
Mas... tinha algo no cego Bart que funcionava bem... Eram os seus ouvidos. Ele ouvia os passos das pessoas. Ele ouvia o comentário delas. Ele ouvia e ficava imaginando como seriam as pessoas. Imaginando as cores, sentindo os cheiros.
Um dia... o cego Bart assentado nas ruas quando ouviu um comentário que muito lhe interessou:
Ele arregalou os ouvidos... só não os olhos, porque ele não podia ver.
Eram algumas pessoas que diziam assim:
Pois eu não vejo a hora que Ele chegue aqui em Jericó. Dizem que ele é demais!
- Ouvi dizer que um dia ele alimentou muita gente só com 5 pães e 2 peixes.
O cego Bart pensou: - Quem??? quem???
Mas logo... as pessoas saíram de perto de Bart, e ele ficou querendo saber mais.
Logo... logo... ouviu mais passos apressados e mais comentários.
- Ele é de Nazaré. Tinha um cara que era surdo e gago. Que foi curado com o toque de suas mãos.
O cego Bart pensou novamente: - De quem eles estão falando????
E novos comentários chegaram aos ouvidos do pobre Bart.
- Ele curou leprosos e fez paralíticos andarem. Esse Jesus de Nazaré só pode ser o messias enviado de Deus.
O cego Bart pensou: - Taí! Esta é a minha grande chance! a minha oportunidade! Somente esse Jesus pode me tirar dessa situação.
É Bart... mas nem tudo é tão simples... Como você fará para chegar até a Jesus sem enxergar? E como fará para alcança-lo com tamanha multidão. Isso é muito difícil...
Agora... os barulhos, perto de Bart se intensificaram.
Ele ouvia barulho de multidão. Em que direção estaria Jesus?
Então ele teve uma idéia brilhante.
Começou a gritar:
- Jesus! Filho de Davi!!! Tenha compaixão de mim!
Gritava mais alto, com toda a sua voz.
Ao invés das pessoas ajudarem o cego Bart, deram uma bronca nele. Mandaram que ele calasse a boca.
Mas... Bart...não obedeceu, pois tudo o que ele queria na vida era ter um encontro com Jesus.
Era a grande oportunidade de Bart.
Somente Jesus poderia ajudar ele a sair daquela situação.
Então ele gritou mais alto, com toda a sua força.
O seu grito chegou ao coração de Jesus e percebeu a fé que o cego Bart tinha.
Mandou seus discípulos chamarem Bart
Os discípulos aproximaram-se de Bart e disseram:
- Tenha ânimo, o mestre te chama.
Bart, nem pensou... que deu um salto e largou sua capa e foi ter com Jesus.
(nessa hora, estourar a bechiga com as mãos, jogar a toalha no chão – simbolizando que o Bart cego deixou de existir quando foi ter um encontro com Jesus e agora era um novo homem).
Bart, ajudado pelos discípulos, aproxima-se de Jesus que lhe perguntou:
- O que quer eu lhe faça?
- Que eu veja.
- Vá... a tua fé te curou...
Nesse, um clarão foi surgindo nas vistas de Bart. Ele viu em sua frente um homem. Rosto manso, bondoso. Era o rosto do seu Salvador Jesus.
É... Bart recuperou a sua visão.
E ele pode olhar primeiramente para Jesus primeiramente e assim, pode levar uma vida normal... porque o ex-cego Bart não desperdiçou a sua oportunidade de ter um encontro com Jesus.
Deus nos dá oportunidades. Não desperdice-as, como estudar, trabalhar, fazer coisas boas. Mas a grande oportunidade. A oportunidade das oportunidades é ter um encontro com Jesus. Bart fez a coisa certa... e você? Também vai fazer como Bart de ter um encontro com Jesus?. O momento é esse.
Vamos orar ( Nesse momento peça para aqueles que querem ter um encontro com Jesus venham a frente e ore com eles)

A história do Amor de Deus


1. A criação do mundo
“No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1).
Deus criou o mundo e tudo o que existe: o céu, a terra, o mar, as plantas, os animais... Criou também o homem e a mulher, que viviam bem com Ele e eram muito felizes.
2. O pecado
“Deus perguntou: Você comeu do fruto da árvore da qual lhe proibi comer?” (Gênesis 3.11, NVI).
Mas o Diabo, por meio da serpente, tentou Eva. Então ela e Adão desobedeceram a Deus. Desobediência é pecado. Por isso, eles foram expulsos do Paraíso e ficaram longe de Deus.
3. A vinda de Jesus
“Deus enviou seu Filho” (Gálatas 4.4).
Por amar todas as pessoas, Deus enviou Seu Filho Jesus, para elas voltarem a viver bem com Ele. Jesus nasceu em Belém. José e Maria cuidaram do menino até que Ele crescesse.
4. A morte de Jesus
“Cristo morreu pelos nossos pecados” (1 Coríntios 15.3).
A Bíblia ensina que todos têm de ser castigados por sua desobediência a Deus. Esse castigo é a morte eterna no inferno. Jesus sofreu o castigo por nós. Ele deu Sua vida na cruz para pagar pelos pecados de todo o mundo.
5. A ressurreição de Jesus
“Ele não está aqui; ressuscitou” (Mateus 28.6).
Mas, depois de sepultado, Ele ressuscitou! Jesus não continuou morto – Ele voltou a viver. Que grande alegria e esperança! Temos um Senhor vivo que quer nos perdoar e salvar do castigo.
6. E agora?
Convide Jesus a entrar em seu coração. Ele vai limpar sua vida e cuidar de você. Peça para Jesus ser seu Salvador e um dia você estará no céu com Cristo, para sempre!
Jesus quer ser seu maior Amigo. Leia a Bíblia para aprender mais sobre Ele. Fale com Jesus em oração – você pode conversar com Ele sobre tudo que quiser.

HISTÓRIAS BÍBLICAS

OS RECURSOS SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES QUANDO SE CONTA A HISTÓRIA

Se você tem apenas figuras, cole-as em papel cartão, ou faça um
album seriado, ou cole fletro atras e o utilize no flanelógrafo.
Atrair a criança para a figura, é atrai-la para a história.
O Visual é muito importante, pois a criança aprende e apreende 75% do que vê, e apenas 15% do que ouve.
Recursos Didáticos (http://www.portalgospel.com)
1. Quadros, Fotos e Gravuras
1. 1. Quadros
Dentro desta categoria, estão tanto o tradicional quadro-de-giz quanto o mais atual quadro imantado.
Esses recursos oferecem muitas possibilidades de uso no desenvolvimento de uma aula, são fáceis de apagar e não exigem habilidade especial para usá-los.
Apresentam, também, características didaticamente valiosas e consideráveis vantagens práticas, a saber:
a) não necessitam de eletricidade e se prestam a múltiplas condições ambientais;
b) são fáceis de usar;
c) não requerem realizações elaboradas.
1.2 Mural
Pode ser de madeira ou papelão, mesmo sendo muito simples, deve ser atraente. A idéia central a ser transmitida deverá sobressair, os elementos devem apresentar harmonia e coerência. O conteúdo deve ser ilustrado, utilizando-se gravuras, fotos, desenhos ou trabalhos feitos pela próprias crianças.
1.3. Álbum Seriado
O álbum seriado consiste em uma coleção de folhas de papel, em geral de grandes dimensões, dispostas em um cavalete de madeira e presas a ele por meio de parafusos ou ganchos. Nele podem ser escritos roteiros ou coladas fotos e/ou gravuras.
2. Maquetes
A maquete pode ser confeccionada utilizando-se diversos materiais: caixas vazias, copos plásticos, palitos, areia, cartolina, dentre outros. Ela deverá ser construída sobre uma prancha de papelão, mesa ou dentro de uma caixa.
3. Quebra-Cabeça
Poder ser confeccionado com caixas de pasta de dente, caixas de fósforo ou papel cartão. O quebra-cabeça é um recurso muito bom para trabalhar com memorização de versículos (veja idéias em Material de Sucata).
4. Quadro de Perguntinhas
O quadro de perguntinhas pode ser confeccionado com papel pardo, folha de álbum seriado ou cartolina e deve ser utilizado no suporte para álbum seriado ou mesmo no quadro-de-giz. Basta desenhar, no papel escolhido, um retângulo dividido em quadrinhos e numerados. Cada número deverá corresponder a uma pergunta que podem ser registradas em fichas pautadas ou cartolina colorida. As crianças deverão responder à prergunta correspondente ao número escolhido por elas.
5. Varal de Versículos
O varal é confeccionado utilizando barbante e roupinhas infantis de papel colorido. Em cada roupinha é escrita uma das palavras do versículo a ser memorizado. As roupinhas de papel são distribuídas aleatoriamente e as crianças devem pendurá-las na ordem correta.
6. Pétalas Bíblicas
As pétalas podem ser confeccionadas com papel crepon, papel seda ou papel ofício. Depois de recortadas devem receber uma pergunta de um lado e um número no outro. Monte a flor no flanelógrafo com velcro ou no quadro-de-giz com fita crepe de duas faces. As crianças tiram as pétalas e respondem às perguntas da pétala retirada.
7. Árvore de Papel
A árvore de papel poder ser confeccionada com cartolina verde, cartolina marrom e percevejos.
Recortar as folhas em cartolina verde e o tronco da árvore em marrom ou desenhe a árvore sobre uma grande folha de papel.
O tamanho deverá ser determinado de acordo com o espaço a disponível.
A árvore de papel poderá ser utilizada para marcar a data de aniversário das crianças.
Fazer flores de papel com o nome das meninas e as data de aniversário.
Fazer frutos com o nome e aniversário dos meninos.
A cada mês devem ser acrescentados os nomes dos aniversariantes, sem retirar os que já estão afixados.
A cada dia a árvore ficará mais florida e cheia de frutos, até que termine o ano.
8 . Flanelógrafo
O flanelógrafo pode ser confeccionado com madeira ou papelão bem grosso, coberto com flanela ou feltro.
É utilizado afixando figuras coloridas com velcro ou lixa.
Dica para confecção de figuras para o flanelógrafo
1. Recortar figuras de livros de histórias bíblicas para crianças, ou desenhar e pintar desenhos com cores vivas.
2. Numerar, no verso da figura atrás de acordo com a seqüência da história.
3. Colar um pedaço de velcro ou lixa atrás no verso da figura.
4. Guardar as figuras em um envelope identificado na frente com o título e o texto a ser ministrado.
5. Organizar os envelopes, com as histórias, de acordo com a ordem que serão apresentadas.
6. Guardar todos os envelopes em uma caixa ou pasta catálogo.
Dicas para utilizar o flanelógrafo
1. Organize as figuras antes de começar a contar a história. Deixe em uma caixa sem tampa para facilitar o acesso.
2. As figuras devem ser apresentadas às crianças e coladas no flanelógrafo com tranqüilidade.
3. Fixe as figuras da esquerda para a direita.
-----------------------------------------------------------------
























.


INSTRUI A CRIANÇA NO CAMINHO EM QUE SE DEVE ANDAR

"Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele". Provérbios 22:6

Se verdadeiramente quisermos que este versículo seja uma realidade na vida de nossos filhos, cabe a nós, pais e mães, em obediência a Palavra de Deus, evangelizar e discipular nossos filhos. Precisamos além de levá-los a Jesus, ensiná-los a crescer na intimidade e comunhão com Deus.Ensinar a criança no caminho em que deve andar é muito mais do que levá-la a igreja domingo após domingo, é muito mais do que ensiná-la a ser religiosa, é muito mais que ensiná-la a orar na hora das refeições, é muito mais que proibí-la de assistir um desenho da Disney, é muito mais que ler a Bíblia só no dia em que dá tempo, é muito mais do que cursá-la em um colégio cristão, é muito mais que delegar a professora da Escola Dominical o que Deus nos delegou como pais.
Ensinar a criança no caminho em que deve andar é viver a vida de Cristo a cada momento de nossa vida, é exalar o bom perfume de Cristo em nossos lares, para que nossos filhos vejam Cristo e o seu amor através de nós.
Ensinar a criança no caminho em que deve andar é levá-la a amar a Jesus de todo o seu coração e sua alma, como nós amamos, é ensiná-la a ter comunhão íntima com Jesus como nós temos, ensiná-la a ter desejo de orar, falar com Deus como nós, é ensiná-la a ter fome da Palavra e se alimentar diariamente como nós nos alimentamos.
Ensinar a criança no caminho em que deve andar é colocar a Palavra de Deus no coração e na alma de nossos filhos, estando sempre a frente dos seus olhos. É ensinar a tempo e fora de tempo, é almoçando na mesa, brincando no chão, tomando banho, fazendo jantar, comendo juntos. Andando no caminho da padaria, da escola, do shopping, da feira, do parque. É ensinando na hora de deitar, na hora de se levantar para a escola (Deuteron.. 11:18 a 21) e quando for velho não se desviará deste caminho, pois as promessas de Deus são verdadeiras, não mudam e não falham.
Sendo assim porque tantos jovens que foram "criados em lares evangélicos" e foram "criados na igreja" estão hoje longe de Deus, desviados para as drogas, alcoolismo, prostituição, marginalidade? Ou mesmo não querendo nada com Deus. Quem falhou ? Deus ou nós os pais?Hoje é o tempo urgente para vivermos essa promessa de Deus em nossos lares, pois como pais desta geração precisamos também com urgência obedecer e viver a Palavra de Deus em Deuteronômio 11 e Salmos 78.

Claudia Guimarães

sábado, 25 de junho de 2011

Decoração

Decoração de sala de aula 2009

Algumas sugestões de figuras para você enfeitar sua sala de aula no início do ano da forma que achar melhor: pintura em parede, desenho em cartolina, trabalhos em E.V.A ...

Este blog tem outros arquivos antigos que podem auxiliar você neste início de ano

Dicas para decorar sala de aula




Dicas para decorar sala de aula

O ano letivo de 2011.1 está chegando, acredito que muitos educadores estejam puxando os cabelos enlouquecidos de como começarão mais um ano letivo; além do mais que muitos vão lecionar pela primeira vez em um novo emprego, ai vem às dúvidas:

Como decorar minha sala de aula?

Quais dinâmicas irão realizar na primeira semana de aula já que será a sua primeira semana de aula também?

Vamos tentar resolver essas questões, primeiro vou falar sobre como decorar uma sala de Educação Infantil:

1º Não devemos transformar nossa sala de aula em um carnaval (com muito colorido) POLUIÇÃO VISUAL NÃO PODE!...Rsrsrs

2º A saudação de boas vindas


No lugar desta “linda” boneca, vocês podem colocar gravuras de diferentes características raciais e físicas (negros, brancos, indígenas, crianças portadoras de necessidades especiais e outros requisitos que vocês desejarem). Ah! CUIDADO com as imagens que serão selecionadas.

3º Construir um jardim em forma de painel para poder colocar as seguintes informações:

- O calendário

- O clima (Como está o dia hoje?)

- Quem faltou e quantos estão presentes, com fotos das crianças e seus devidos nomes.


Um grande painel contendo todas as informações básicas para iniciar a rotina infantil.



Outras opções para os cantinhos dos nomes das crianças





3.1 º Outras opções de calendários








4º Fazer uma grande fita métrica para que as crianças possam se medir e ao lado da gigante fita métrica colocar um espelho para as crianças perceberem seu desenvolvimento.




5º Um ambiente agradável e lúdico para nossas crianças:


- Queridas colegas, por favor, coloquem as letras e os numerais ao alcance das nossas crianças.